Para Baixar Em Pdf:

Simulado Concurso 5 Professor De História

1- A trajetória da Escola dos Annales, iniciada por seus fundadores, Marc Bloch e Lucien Fèbvre, complementada pela
geração Braudel e realizada pela Terceira Geração, representada por historiadores como: Jacques Le Goff, Pierre
Nora, George Duby, entre outros, é o emblema de uma atitude renovadora diante da História (BURKE, 1990). “O
documento não é inocente, não decorre apenas da escolha do historiador, ele próprio parcialmente determinado por sua época e seu meio; o documento é produzido consciente ou inconscientemente pelas sociedades do passado, tanto para
impor uma imagem desse passado, quanto para dizer ‘a verdade’” (Le Goff).
Em relação aos princípios desta escola é ERRADO afirmar que:
A) Aborda a história como um questionamento, a história problema.
B) Faz uso da intertextualidade.
C) Prioriza a pesquisa a partir de fontes não seriais.
D) Utiliza a interdisciplinaridade como método de pesquisa.
E) Define a história como uma ciência social.

2- “Os historiadores, conquanto microcósmicos, devem se posicionar em favor do universalismo, não por fidelidade a um
ideal ao qual muito de nós permanecemos vinculados, mas porque essa é a condição necessária para o entendimento da
história da humanidade, inclusive a de qualquer fração específica da humanidade. Pois todas as coletividades humanas
são e foram necessariamente parte de um mundo mais amplo e mais complexo. Uma história que seja destinada apenas
para judeus (ou afro-americanos, ou gregos, ou mulheres, ou proletários, ou homossexuais) não pode ser boa história,
embora possa ser uma história confortadora para aqueles que a praticam.
Infelizmente, como demonstra a situação em áreas enormes do mundo no final do nosso milênio, a história ruim não é
história inofensiva. Ela é perigosa. As frases digitadas em teclados aparentemente inócuos podem ser sentenças de
morte.” ( Eric Hobsbawm, 1998). O texto anterior é uma advertência a qual abordagem ou tendência da história?
A) Ao materialismo histórico de tendência estruturalista.
B) A Nova História Econômica Americana.
C) A Escola Francesa dos Annales.
D) As tendências pós-modernistas, narrativismo e anti-realismo.
E) A escola metódica ou científica.

3- A história ambiental, disciplina acadêmica que tem aumentado sua relevância como campo de trabalho para os
historiadores, tem entre outras características a da atuação multidisciplinar. “Precisa ficar claro que pensar sobre a
relação entre o “tempo geológico” e o “tempo social”, combinar a história natural com a história social, colocar a
sociedade na natureza, enfim − implica necessariamente atribuir aos componentes naturais “objetivos” a capacidade
de condicionar significativamente sociedade e cultura humanas. Não há meias palavras quanto a isso. Não se trata de
fazer apenas metáforas ambientais, ecológicas ou naturais, como as que predominaram, por exemplo, na famosa escola
de “ecologia humana” desenvolvida na Universidade de Chicago a partir dos anos 1920. Trata-se de uma mudança
séria de paradigma nas ciências sociais. Significa que o cientista social dá às “forças da natureza” um estatuto de
agente condicionador ou modificador da cultura. Vale lembrar que, a esta altura do debate científico, nem a história
ambiental nem as outras disciplinas sociais que vêm incorporando elementos do mundo natural à sua lista de variáveis
analíticas propõem um determinismo natural unilateral. A cultura humana age sobre o meio físico-material,
propiciando significados e usos complexos dos seus elementos. Evito, por isso, entrar pela bolorenta discussão sobre o
determinismo.” (A HISTÓRIA AMBIENTAL: temas, fontes e linhas de pesquisa. José Augusto Drummond.) Segundo a
perspectiva representada pelo texto anterior, assinale a alternativa que NÃO representa uma característica
metodológica ou analítica da história ambiental:
A) Quase todas as análises focalizam uma região com alguma homogeneidade ou identidade natural: um território árido, o
vale de um rio, uma ilha, um trecho de terras florestadas, um litoral.
B) O diálogo sistemático com quase todas as ciências naturais − inclusive as aplicadas − pertinentes ao entendimento dos
quadros físicos e ecológicos das regiões estudadas.
C) Explorar as interações entre o quadro de recursos naturais úteis e inúteis e os diferentes estilos civilizatórios das
sociedades humanas.
D) A grande variedade de fontes pertinentes ao estudo das relações entre as sociedades e o seu ambiente.
E) Não fazer trabalho de campo, visitas locais, entrevistas, etc.

4- Um recurso metodológico fundamental para o processamento técnico dos acervos museológicos é o Thesaurus.
Assinale a alternativa que melhor descreve a função deste recurso metodológico:
A) Sistema de classificação pela forma dos objetos.
B) Dicionário de termos históricos para a aplicação aos acervos.
C) Classificação e denominação de documentos e artefatos.
D) Identificar a originalidade de documentos escritos.
E) Identificar a autenticidade de obras de arte.

5- Na 32ª Conferência Geral da UNESCO, o patrimônio imaterial foi definido como sendo: “as práticas, representações
e expressões, os conhecimentos e as técnicas que as comunidades, os grupos e, em alguns casos, os indivíduos
reconhecem como parte de seu patrimônio cultural. Os instrumentos, artefatos e espaços culturais associados a estas
práticas formam parte integrante deste patrimônio.” (UNESCO, 2003, Paris) No mesmo evento, se convencionou que o
patrimônio imaterial se manifesta de forma plural e em vários domínios. Dentre as alternativas abaixo, assinale a
que NÃO correspondente a um domínio do patrimônio imaterial:
A) Tradições e expressões orais.
B) As obras, objetos, documentos e edificações, independentes de suas referências identitárias ou históricas.
C) Práticas sociais, rituais e festivais.
D) Conhecimentos e práticas relacionados com a natureza e o universo.
E) As técnicas próprias do artesanato local.

6- “A memória é base do nosso conhecimento. Em seu entendimento mais simplificado é nossa capacidade de registrar e
resgatar fatos, sensações e sentimentos durante nossa existência. Ela está vinculada a documentos, materiais, lugares, imagens, enfim ao patrimônio legado pelas gerações anteriores para as gerações presentes, com o qual convivemos e
que legaremos às gerações futuras. Este patrimônio é base fundamental para nosso conhecimento histórico, para
nosso entendimento das situações presentes e inspiração para nosso futuro.Dada sua importância, a questão da
preservação de nossa cultura material e nossa memória é central não somente para historiadores, mas para o
conhecimento humano de forma geral. Para que compreendamos a relevância da preservação da memória da energia,
é imprescindível que entendamos que ela é, sem dúvida, um componente da memória da humanidade. Sendo uma
memória recente, é certo que seu entendimento e registro são fundamentais para nosso futuro.” (Marcelo P. Landin,
Tania Carla B. de Falco e Tiago S. F. Alves. CULTURA MATERIAL E MEMÓRIA DA ENERGIA PAULISTA).
O texto anterior nos remete a uma preocupação com a importância da preservação de nossa cultura material.
Assinale a alternativa que NÃO compactua com esta preocupação:
A) A cultura criada pelo espírito humano, as crenças, a moral, as leis, os sentimentos, os desejos, são as mais importantes
fontes históricas a serem preservadas sobre a questão energética.
B) Apesar de obtermos informações fundamentais a partir das fontes documentais, as fontes materiais nos dão uma
dimensão única que amplia nosso entendimento.
C) Um bonde elétrico do início do século XIX é mais do que um objeto físico, pode ser também a fonte de questionamento
do pesquisador, a memória de uma avó, a curiosidade de uma criança.
D) Devem-se conservar acervos relativos à energia, pois é ela fundamental à nossa sobrevivência e cuja sustentabilidade
não está resolvida. Algo com tamanha relevância e impacto em nosso futuro, só poderá se efetivar ao ser acessado por
pesquisadores.
E) A fonte documental é central para a História, mas este patrimônio vai além da documentação escrita, por isso a
importância da cultura material e da memória dos diferentes momentos de uma sociedade.

7- A partir do momento em que se começaram a reunir documentos escritos, a historiografia começa a ultrapassar os
limites do próprio século abrangido pelos historiadores, superando também as limitações impostas pela transmissão
oral do passado. Com a construção de bibliotecas e a criação de arquivos iniciou-se o desenvolvimento de métodos
de crítica. Sobretudo, depois do final do século XVII estabelecem-se os fundamentos para uma metodologia aplicada
à história, sob uma radical exigência de submeter todas as investigações à razão crítica. A segunda metade do século
XIX impôs o paradigma de uma história que a partir daí chamar-se-á paradigma “tradicional” ou paradigma
“rankeano”, derivado do nome do historiador Leopold Von Ranke (1795-1886). Ranke propunha apresentar os fatos
tais como o “foram na realidade” e os historiadores europeus criaram os grandes esquemas políticos e institucionais.
São características desse paradigma, EXCETO:
A) A história diz respeito essencialmente à política.
B) É essencialmente uma narrativa de acontecimentos.
C) A história é objetiva, entendendo-se por isso a consideração do suceder como algo externo ao historiador, suscetível de
ser conhecido como objeto que se põe diante do microscópio, almejando uma neutralidade.
D) Deveria perguntar mais pelas motivações individuais do que pelos movimentos coletivos, tendências e acontecimentos.
E) Baseada em fontes escritas e orais.

8- “Uma política cultural deve ser vista como parte de um projeto de formação de uma nação democrática e plural… A
primeira ação foi conclamar a participação da comunidade museológica e interessados para ouvir a experiência de
cada um, estreitando as relações e propiciando uma maior interação entre governo e sociedade… as discussões foram
extremamente proveitosas, animadoras e apontaram para os museus e sua função social.” “A contribuição de cada um
foi a certeza da construção de um projeto criativo, multifacetado e consistente, na forma que o setor museológico
requer, de maneira que os diferentes tipos de museus, em termos de tipologia, vinculação institucional e
representatividade pudessem ser abarcados. “A Política Nacional de Museus, portanto, tem em suas bases, o reflexo de
uma multiplicidade de vozes, uma vez que construída a várias mãos. Este processo que agora se inicia, referencia
exatamente a diversidade e a complexidade cultural do país. É essa diversidade que fortalece o setor museológico e
busca nela a força criativa, necessária na estruturação da política cultural. Estes momentos demonstram que, sem
dúvida, a esperança vem a cada dia vencendo o medo.” (Gilberto Gil Moreira, Ministro da Cultura) O trecho do discurso
anterior se refere à Política Nacional de Museus que tem, entre outros, como princípios orientadores, EXCETO:
A) Estabelecimento e consolidação de políticas públicas no campo do patrimônio cultural, da institucionalização da
memória social e dos museus, visando à democratização das instituições e dos usos dos bens culturais nacionais,
estaduais e municipais.
B) Desenvolvimento de processos educacionais para homogeneizar a diversidade cultural do povo brasileiro frente aos
procedimentos políticos de diversificação decorrentes da globalização.
C) Reconhecimento e garantia dos direitos das comunidades organizadas de participar, em conjunto com os profissionais,
técnicos e gestores do patrimônio cultural, dos processos de registro e proteção legal e dos procedimentos técnicos e
políticos de definição do patrimônio a ser preservado.
D) Estímulo e apoio à participação de museus comunitários, ecomuseus, museus locais, museus escolares e outros na
Política Nacional de Museus e nas ações de preservação e gerenciamento do patrimônio cultural.
E) Respeito ao patrimônio cultural das comunidades indígenas e afro-descendentes, de acordo com as suas especificidades
e diversidades.

9- Assinale a alternativa que melhor define a linguagem utilizada nas exposições museológicas, para transmitir uma
mensagem:
A) Elaboração de roteiros. D) Participação da comunidade.
B) Recursos visuais. E) Objetos-signo.
C) Exposições históricas.

10- Foi aprovado em 4 de agosto de 2000 o Decreto n° 3.551, que dispõe sobre o registro de bens culturais de natureza
imaterial. Através deste instrumento foram criados quatro novos Livros de Registro para complementarem os
instituídos em 1937. Nesta mesma legislação foi instituído também o Programa Nacional do Patrimônio Imaterial,
que tem por objetivo: “a implementação de política específica de inventário, referenciamento e valorização desse
patrimônio”. (Decreto 3.351)
Tendo em conta o que diz o Decreto n° 3.551, assinale a alternativa ERRADA:
A) O Livro de Registro dos Saberes (onde serão inscritos os conhecimentos e modos de fazer).
B) O Livro de Registro das Celebrações (inscritos os rituais e festas).
C) O Livro das Formas de Cultura Artística (inscritas as manifestações literárias, musicais, plásticas, cênicas e lúdicas).
D) Foi prevista, também, a criação de novos Livros de Registro, caso seja necessária a inscrição de bens de cunho imaterial
que não se enquadrem nos Livros anteriormente citados.
E) O Livro de Registro dos Lugares (inscritos mercados, feiras, santuários, praças e demais espaços onde se concentram e
reproduzem práticas culturais coletivas).

Gabarito
1-C
2-D
3-E
4-C
5-B
6-A
7-E
8-B
9-E
10-C

Simulado Concurso 5 Professor De História

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 − seis =

CURSOS GRATUITOS PARA PROFESSORES (COM CERTIFICADO)