Para Baixar Em Pdf:

Simulado 16 Concurso  Professor De História

1. A partir de problemáticas amplas, nos
Parâmentos Curriculares Nacionais – PCN’s
para a área de História, optou-se por
organizar seus conteúdos em eixos temáticos
e desdobrá-los em subtemas, orientando
estudos interdisciplinares e a construção de
relações entre acontecimentos e contextos
históricos no tempo. Desta forma, o trabalho
com eixos temáticos não esgota
verticalmente os subtemas que podem ser
trabalhados. Referente ao Terceiro Ciclo do
Ensino Fundamental na área de História,
podemos corretamente afirmar que os
PCN´s sugerem ser trabalhados pela área o
Eixo Temático:
a) História das representações e das relações
de poder.
b) História da cidadania e cultura no mundo
contemporâneo.
c) História local e do cotidiano.
d) História das organizações populacionais.
e) História das relações sociais, da cultura e
do trabalho.

2. “A sexualidade feminina era motivo de
adoração por parte do homem. […] O
Neolítico, época em que fundamenta todas
as sociedades modernas, foi o momento da
ocorrência da mudança de valores. A
mulher, a partir daí, lentamente veio
perdendo seus direitos, seu lugar”
(BARROS, Maria Nazareth Alvim. As
deusas, as bruxas e a igreja. 2001 p. 13).
Verifica-se no fragmento acima a discussão
acerca da passagem das sociedades
matriarcais para patriarcais em um momento
histórico definido. Com referência à
passagem do matriarcalismo ao
patriarcalismo podemos afirmar que ela se
relaciona
a) à domesticação de animais de montaria
que puderam servir ao uso militar,
estimulando o crescimento de sociedades
militarizadas, que eram exclusivamente
patriarcais.
b) à descoberta pelo masculino de seu papel
na fecundação e a vigília sobre o
feminino como forma de garantia da
descendência.
c) ao controle do fogo e o desenvolvimento
da agricultura hidráulica nos vales dos
grandes rios.
d) ao desenvolvimento da metalurgia, que
exigia uma maior força física para sua
produção.
e) ao surgimento das cidades e, por
consequência, das sociedades mercantis.

3. A expressão “Mare nostrum”, atribuída aos
romanos, evoca o controle europeu sobre o
mar Mediterrâneo está relacionada com a
vitória sobre Cartago. Entre os efeitos
provocados pelas Guerras Púnicas, podemos
destacar corretamente
a) o desaparecimento de segmentos médios
da sociedade, absorvidos pelos grandes
empreendimentos do Estado romano.
b) o surgimento de uma sociedade
utilitarista, sem luxos ou ostentações,
sempre preparada para o enfrentamento.
c) o desaparecimento progressivo do
pequeno lavrador, resultado do
estabelecimento do sistema de cultivo em
áreas conquistadas e introdução do trigo.
d) o fortalecimento do trabalho serviu,
motivado pela grande mortandade do
conflito.
e) a maior oferta de terras, propiciada pela
distribuição das áreas conquistadas.
4. Durante o período da História conhecido
como Idade Média, na Europa, e em meio a
uma sociedade fragmentada, a Igreja
Católica garantia não só a unidade religiosa,
mas também a política e a cultural.
A respeito do poder da Igreja Cristã durante
a Idade Média, podemos afirmar
corretamente.
a) Sustentava-se principalmente com o
comércio de produtos de luxo, entre estes
as relíquias dos santos.
b) Foi a grande defensora do fortalecimento
e centralização das monarquias, baseadas
em seu entendimento sobre o Direito
Divino.
c) Apesar de condenar o cidadão comum,
estimulou a usura entre seus membros
como forma de promover a caridade.
d) Foi a principal combatente das estruturas
sociais e econômicas feudais, defendendo
a igualdade de todos perante Deus e os
homens.
e) Além de seu poderio econômico, no
campo das ideias, detinha a legitimidade
do saber.

5. “Os sentidos eram então fundamentalmente
diversos dos nossos. No início da Época
Moderna, a audição tinha importância maior
do que a visão, o que parece próprio de uma
sociedade iletrada e muito dependente da
transmissão oral de conhecimento”
(SOUZA, Laura de Melo e. A feitiçaria na
Europa Moderna. 1987, p. 07).
Em uma sociedade como a retratada no
fragmento citado, é possível afirmarmos que
essa circunstância resultou
a) na busca da razão enquanto única forma
de explicação da realidade, harmonizando
os dogmas cristãos e os cultos pagãos.
b) em sociedades que apenas o religioso era
entendido como valor, nada mais sendo
possível de ser tolerado.
c) na descrença da felicidade como possível
na vida terrena, defendendo-se que
somente no plano espiritual ela seria
alcançada.
d) em sociedades em que a descrença não
fazia parte do universo mental, onde o
real e o maravilhoso conviviam juntos.
e) no entendimento de que apenas a prova
visual é plausível de ser aceita enquanto
realidade.
6. A Revolução Comercial, dos séculos XVI a
XVIII, adotou em suas últimas fases um
conjunto de doutrinas e normas que ficaram
conhecidas por Mercantilismo. Mesmo
assumindo a forma de preceitos econômicos,
seus efeitos em grande parte constituíram-se
em políticos ao fortalecerem a figura do
Estado. Dentre as características que se
destacam do Mercantilismo, podemos
apontar corretamente
a) o liberalismo econômico.
b) o exclusivismo comercial estatal.
c) a defesa do metalismo.

7. O modelo de exploração econômica
portuguesa implantado na América
Portuguesa começou a entrar em colapso em
meados do século XVII. Entre os fatores que
colaboraram para essa crise, podemos
apontar corretamente
a) a tentativa frustrada de modernização da
produção colonial, que resultou em
dívidas que os produtores não tiveram
como arcar.
b) a mudança do eixo econômico da Colônia
do Norte para o Sul, o que encareceu os
custos da produção.
c) a redução no mundo das demandas por
gêneros produzidos pelo Brasil.
d) a incapacidade da Inglaterra em realizar o
transporte da produção brasileira, o que
levou à ruína os pequenos produtores da
Colônia.
e) a concorrência com a produção das
Antilhas, resultado da expulsão dos
holandeses.
8. O Iluminismo, movimento profundamente
perturbador para as sociedades Ocidentais,
não poderia deixar de fazer sentir seus
efeitos sobre os costumes sociais, inclusive
no que se refere ao aparato jurídico-penal
dos Estados. Em relação às mudanças nos
procedimentos e códigos penais dos Estados
influenciados pelo Iluminismo, podemos
afirmar
a) passou-se a condenar a teoria corrente de
que as penas deveriam ser as mais duras
possíveis, como forma de servir de
exemplo para os criminosos potenciais.
b) os Estados passaram a adotar a pena
capital como forma de evitar despesas
com prisões.
c) houve a adoção da Lei de Talião em todos
os Estados ilustrados, como forma de
garantir a equidade das penas.
d) nos países católicos, os Mandamentos e
dogmas passaram a nortear as penas,
onde se assistiu a um aumento do
prestígio do clero.
e) no campo penal, não se assistiu a
nenhuma mudança significativa, uma vez
que a influência do Iluminismo
restringiu-se ao campo da política.
d) a crítica ao centralismo monárquico.
e) a restrição às exportações.

9. Referente à colonização portuguesa nas
Américas, deve ser observado que mesmo
regiões marginais da empresa colonial, a
exemplo das áreas de criatório, não
escaparam aos mecanismos de controle
promovidos pela Coroa. No que se refere ao
Piauí, este apresentou muitas peculiaridades
em seu processo de colonização. A esse
respeito podemos afirmar que
a) para a rápida ocupação do território, a
aliança entre sesmeiros e posseiros foi de
vital importância, aliança que se manteve
viva até a República.
b) seu processo colonizador iniciou-se no
litoral e se estendeu em direção ao sertão,
o que permitiu a rápida ocupação da
região.
c) constituiu-se economicamente por meio
da pecuária intensiva, alinhada com a
prática escravocrata de pastoril.
d) bandeirantes e jesuítas foram figuras
importantes no processo de ocupação e de
colonização do território piauiense.
e) apesar de constituir-se como capitania já
no século XVIII, apenas no século XIX,
como Província, o Piauí conquistou
autonomia administrativa.

10. “Introjetar um relógio moral no coração de
cada trabalhador foi a primeira vitória da
sociedade burguesa, e a fábrica apareceu
desde logo como uma realidade
estarrecedora onde esse tempo útil
encontrou o seu ambiente natural, sem que
qualquer modificação tecnológica tivesse
sido necessária” (DECCA, Edgar de. O
nascimento das fábricas. 1991, p. 10).
Com referência ao fragmento em destaque e
ao processo de industrialização europeia nos
séculos XVIII e XIX, podemos afirmar
corretamente que
a) mesmo inseridos nas fábricas, os
trabalhadores resistiam à nova
temporalidade, pois viam como algo
negativo e mesmo como pecado o
trabalho fabril.
b) as pessoas recebiam com alegria a
oportunidade de trabalhar nas fábricas,
pois, mesmo considerando ser árduo, o
trabalho sempre foi visto como uma
virtude para o europeu.
c) entre os desafios à instalação das fábricas
estava a necessidade de criar, no
imaginário coletivo, a noção de que o
trabalho nas fábricas era libertador e
moralmente positivo.
d) a noção de tempo útil foi impraticável na
Europa, acostumada ao tempo natural ou
cíclico, o que resultou na adaptação das
fábricas aos costumes.
e) foi necessário um forte aporte tecnológico
para que os trabalhadores pudessem
inserir-se no novo modelo produtivo
industrial.
Gabarito

1-E
2-B
3-C
4-E
5-D
6-C
7-E
8-A
9-D
10-C

Simulado 16 Concurso Professor De História

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + 2 =

CURSOS GRATUITOS PARA PROFESSORES (COM CERTIFICADO)